Notícias

Problemas no joelho do Papa fazem duvidar sobre viagens ao exterior neste verão

Problemas no joelho do Papa fazem duvidar sobre viagens ao exterior neste verão

Esta não é a primeira vez que um papa luta com limitações de movimento físico. Essas dificuldades foram características dos últimos anos dos papados de João Paulo II e Bento XVI.

O Papa Francisco sai depois de recitar a oração do meio-dia Regina Coeli da janela de seu estúdio com vista para a Praça de São Pedro, no Vaticano, domingo, 8 de maio de 2022. Foto (Andrew Medichini/AP)

ROMA – Um funcionário do governo libanês disse que a visita do Papa Francisco ao país no próximo mês, que nunca havia sido formalmente anunciada pelo Vaticano, estava sendo adiada devido à saúde do Papa, lançando dúvidas sobre os ambiciosos planos de viagem de verão de Francisco.

Falando à Agência Nacional de Notícias na segunda-feira, Walid Nassar, que lidera o comitê encarregado de organizar a visita do papa ao Líbano, disse que seu país recebeu a carta do Vaticano informando-os oficialmente da decisão de adiar a visita e que uma nova data seria comunicada “assim que for determinado”.

Embora o Vaticano nunca tenha anunciado oficialmente a visita, as autoridades libanesas disseram que aconteceria de 12 a 13 de junho.

Ainda não há indicação de possíveis novas datas.

As notícias do adiamento da viagem ao Líbano chegam quase uma semana depois que o Papa Francisco fez sua primeira aparição pública em uma cadeira de rodas durante uma audiência em 5 de maio com membros da União Internacional das Superioras Gerais (UISG), um conglomerado de ordens religiosas femininas.

O Vaticano atribuiu o uso da cadeira de rodas às contínuas dificuldades do Papa com a dor no joelho.

Em uma entrevista na semana passada, o Papa disse que tinha um ligamento rompido no joelho direito e estava recebendo tratamento por meio de injeções.

O Vaticano disse que, no momento, a cirurgia não está sendo considerada e, no que diz respeito à agenda do Papa, “os programas planejados da agenda papal permanecem”, apesar do recente cancelamento de vários compromissos para cumprir ordens médicas para o papa descansar o joelho.

Francisco também optou cada vez mais por não presidir as principais liturgias papais nos últimos meses e pediu a vários cardeais que celebrassem as liturgias em seu lugar. Ele “ajudou” em muitos desses eventos, sentando-se ao lado durante a cerimônia e ficando de pé apenas para fazer a homilia.

Desde a aparição da cadeira de rodas na semana passada, o Papa Francisco manteve seus compromissos diários e continuou a usar sua cadeira de rodas para suas reuniões e atividades.

Ainda não há informações sobre o status das outras viagens de verão planejadas do Papa, que incluem uma visita confirmada à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul, bem como planos não oficiais de visitar o Canadá no verão e possivelmente o Cazaquistão no outono.

Leia Também:

O Papa: avós, não aposentados frágeis, mas pessoas com talentos a serem valorizados

A visita ao Congo e ao Sudão do Sul já está programada para os dias 2 e 7 de julho, e o Papa disse que espera visitar o Canadá no final daquele mês.

Apesar do adiamento da viagem ao Líbano do próximo mês, Francisco recentemente dobrou sua determinação de visitar o Congo e o Sudão do Sul.

Em 7 de maio, Francisco enviou uma mensagem conjunta de Páscoa aos funcionários do Sudão do Sul, assinada pelo arcebispo de Canterbury, Justin Welby, e pelo moderador da Igreja da Escócia, Jim Wallace

Na mensagem, os três líderes religiosos disseram que estavam escrevendo em homenagem à ressurreição de Jesus, “que nos mostra que um novo caminho é possível: um caminho de perdão e liberdade, que nos permite humildemente ver Deus no outro, mesmo em nossos inimigos.”

“Esse caminho leva a uma nova vida, tanto para nós como indivíduos quanto para aqueles que lideramos”, disseram.

Os líderes oraram pelos governantes do Sudão do Sul e disseram: “estamos ansiosos para visitar seu grande país”.

O Papa Francisco há muito tempo investe no processo de paz do Sudão do Sul e muitas vezes expressou seu desejo de visitar o país quando as condições fossem estáveis o suficiente para permitir uma viagem papal.

No entanto, embora pareça determinado a realizar sua viagem ao Congo e ao Sudão do Sul conforme planejado, permanecem dúvidas sobre sua mobilidade e como isso pode afetar a viagem.

Esta não é a primeira vez que um papa luta com limitações de movimento físico. Essas dificuldades foram características dos últimos anos dos papados de João Paulo II e Bento XVI. Os problemas no joelho de Francisco podem afetar o que ele é capaz de fazer e quantos compromissos consegue cumprir.

Além dos problemas no joelho, o papa de 85 anos sofre de ciática crônica e está sem uma parte de um pulmão devido a uma doença pulmonar que contraiu quando jovem jesuíta. Francisco também passou por uma cirurgia de cólon em julho de 2021.

Traduzido por Ramón Lara.

Dom Total